Secretario Roberto Alvim e a representante da Unesco no Brasil, Marlova Noleto. Foto: Clara Angeleas

Uma reunião entre o secretário especial da Cultura, Roberto Alvim, e a representante da Unesco no Brasil, Marlova Noleto, nesta segunda-feira (9), em Brasília, tratou de possíveis ações para fortalecer a cooperação entre ambos os órgãos e promover o Brasil internacionalmente. A importância do Patrimônio Histórico, Cultural e Imaterial, as candidaturas brasileiras nessa área, as sinergias entre a cultura e o turismo e a circulação de bens culturais foram alguns dos temas que estiveram na pauta. “Em algumas áreas, essa simbiose é quase óbvia. Quantas vezes eu quis visitar um país em razão de ter visto filmes ou obras de pintores e artistas. Isso ocorreu com a Suécia, com o Japão”, comentou o secretário.

Para Marlova Noleto, o patrimônio histórico é uma das áreas de maior expressão brasileira aos olhos dos demais países do globo. “O Brasil é respeitado, no contexto internacional, por sua pujança cultural. É protagonista nos campos de patrimônio histórico e imaterial, além de ser signatário de diversas convenções da Unesco, entre elas a do tráfico ilícito de bens culturais”, disse. Ela ainda destacou que o Brasil foi um dos países que auxiliou na fundação da Unesco, em 1946, e que, atualmente, está na vice-presidência do Conselho Executivo da Organização.

Alvim relembrou a recente viagem que fez a Paris, quando participou do Fórum de Ministros da Cultura, organizado no âmbito da Convenção Geral da Unesco. Ele destacou que, na ocasião, manteve diversas reuniões bilaterais com representantes da cultura de países como Espanha, Polônia, Hungria e Grécia, e que já iniciou tratativas para estreitar a cooperação com estas nações. “Nós acordamos cooperar para a circulação de bens culturais, espetáculos, exposições. Para tanto, a alternativa seria criar fundos binacionais e pensamos na Unesco para geri-los por sua lisura e credibilidade”, concluiu o secretário.

Na área da cultura, além da Convenção Relativa às Medidas a Serem Adotadas para Proibir e Impedir a Importação, Exportação e Transferência de Propriedades Ilícitas dos Bens Culturais (1970), o Brasil também ratificou a Convenção para a Proteção do Patrimônio Mundial, Cultural e Natural (1978), a Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial (2003) e a Convenção sobre a Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais (2005).

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura


Fonte: Cultura