A Secretaria Especial da Cultura, por meio da Fundação Nacional de Artes – Funarte, está revitalizando e aperfeiçoando a Escola Nacional de Circo Luiz Olimecha, localizada na Praça da Bandeira, na Zona Norte do Rio de Janeiro, a ENC é referência na América Latina em formação de artistas circenses. Além disso, estão em tratativas parcerias com instituições públicas e privadas para potencializar as atividades do circo de maneira geral em todo o país.

Em Minas Gerais, está havendo investimento na área, também com uma nova tenda para a representação em Belo Horizonte. A Secult e a Funarte aproveitaram o período sem aulas, por conta da pandemia, para focar na revitalização desses espaços voltados para o circo. Assim, existe um esforço contínuo da gestão em descentralizar ações e projetos pelo interior do Brasil para cooperações conjuntas futuras com estados e municípios.

O presidente da Funarte, Lamartine, destaca que revitalizar a ENC é uma prioridade. “Identificamos, fora as questões técnicas e estruturais em seu endereço, que a Escola Nacional de Circo precisa de maior atenção para poder crescer, gerando mais acesso e capacitação”, afirmou.

Sobre a Escola

Inaugurada em 1982 é criada pelo circense Luiz Olimecha e pelo produtor cultural Orlando Miranda – então presidente do Instituto Nacional de Artes Cênicas, incorporado à Funarte – a instituição prepara artistas profissionais para atuarem em circos de lona e em diversos setores das artes e cultura. Desde 2015, o Curso Técnico em Arte Circense, oferecido pela entidade, é reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC). A formação inclui quatro semestres letivos, com um total de 2.798 horas-aula.

O terreno ocupado pela Escola possui sete mil metros quadrados e abriga lona com capacidade para 1.200 espectadores. O espaço inclui galpão multifuncional de treinamentos circenses, salas de aula e de dança, auditório, espaços para musculação e fisioterapia, refeitório, oficina para confecção e conserto de aparelhos, biblioteca, multimídia e salas para administração.

Segundo a diretora do Centro de Artes Cênicas da Funarte, Naura Schneider, a intenção por meio da ENC é atingir mais os circenses. “Pretendemos fazer parcerias em alguns estados para formação e também como forma do circense poder mostrar o seu trabalho”, concluiu.


Fonte: Cultura