Foto: Clara Angeleas

O secretário Especial da Cultura, Roberto Alvim, e o secretário de Fomento e Incentivo à Cultura, Camilo Calandreli, receberam, nesta sexta-feira (6), em Brasília, representantes da Sociedade Brasileira de Teatro Musical. Foi discutida a possibilidade de ampliação do teto de captação de recursos da Lei Federal de Incentivo à Cultura para os musicais.

Alvim, que tem carreira premiada no teatro, se disse sensível às dificuldades que o setor vem enfrentando por causa do valor do teto, que inviabiliza as produções. “O teatro musical é um segmento importantíssimo, que não para de crescer. Gera emprego, renda, atrai turistas e movimenta a economia. É importante que possamos dar aos produtores condições para que possam continuar fazendo seu trabalho”, afirmou.

Pela Instrução Normativa vigente, o teto máximo de captação por projeto é de R$ 1 milhão. De acordo com a produtora Stephanie Mayorkis, que participou da reunião, o valor é insuficiente para custear até mesmo musicais de pequeno porte, que custam, em média, cerca de R$ 6 milhões. Se não houver uma revisão no limite imposto pela IN, afirmou ela, os prejuízos podem ser incalculáveis.

De acordo com o secretário Camilo Calandreli, uma proposta de revisão está sendo estudada pela equipe técnica. “Não é do interesse do governo prejudicar um setor importante para a cultura, que cresce a passos largos, que gera emprego e renda para o país. Mas é de interesse do governo garantir que a renúncia concedida se transforme em benefício para o cidadão. Nossa intenção, portanto, é investir nas contrapartidas sociais, ampliando as ações de formação e capacitação por meio de workshops, seminários e outras atividades que possam ser promovidas para jovens carentes em todo o país, em especial nas regiões menos favorecidas por esse tipo de espetáculo”, disse.

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura


Fonte: Cultura