O secretário especial da Cultura, Roberto Alvim, recebeu nesta sexta-feira (13), em Brasília, o especialista em fundos patrimoniais Ricardo Blay Levisky. Também conhecidos como endowment, os fundos patrimoniais permanentes buscam criar sustentabilidade financeiras de longo prazo para instituições perenes, como grandes museus, orquestras e fundações, entre outras.

O secretário Roberto Alvim foi convidado a apoiar a finalização do Museu Judaico de São Paulo – o principal e um dos maiores museus judaicos da América Latina, e um dos primeiros na área cultural a instituir um fundo patrimonial no Brasil. A instituição tem como objetivo contar a história da cultura judaica e também falar sobre a história do judaísmo no Brasil.

Muito utilizados por instituições norte-americanas e europeias, os fundos patrimoniais permitem a criação de um patrimônio perpétuo que gera recursos contínuos para a conservação, expansão e promoção de instituições culturais. Possibilitam a construção de uma base financeira sólida para as instituições, com recursos compostos de doações de pessoas físicas e jurídicas.

Museu Judaico de São Paulo

A exemplo de outros museus pelo mundo, que tiveram sua origem em sinagogas, o espaço passa por uma ampla reforma, que preserva o ambiente original e amplia seu objetivo, perpetuando a memória daqueles que viabilizaram o núcleo inicial. Com exposições e conteúdos que mostram as diversas fases migratórias da comunidade judaica.

O museu vai exibir elementos da identidade judaica, ritos e passagens, a culinária, as festas e as músicas. E, no caso da história do Brasil, contando um pouco da história de todos os estados brasileiros, de como foi o processo migratório de 1.500 até os dias de hoje.


Fonte: Cultura