Neil Young e Donald Trump

Neil Young e Donald Trump
Tenho Mais Discos Que Amigos

Foto: Wikimedia Commons Recentemente, o Facebook deixou clara a sua posição de não remover propagandas políticas — sejam elas falsas ou não. Parece que Neil Young se incomodou bastante com isso, além de outros fatores, e tomou uma decisão importante.

O músico canadense, que vive nos Estados Unidos há muito tempo, enxerga um viés Republicano na decisão de Mark Zuckerberg e companhia. Entendendo que a plataforma não se posiciona de forma neutra politicamente, Young prometeu não mais utilizar a rede social.

Além disso, criticou os laços da empresa com organizações de direita dos EUA. Sua posição não é nenhuma surpresa, visto que ele já proibiu o presidente Donald Trump de usar suas músicas. O anúncio foi feito pelo seu próprio site, o Neil Young Archives (NYA).

LEIA TAMBÉM: Neil Young e Bob Dylan tocam juntos pela primeira vez em 25 anos; assista
Neil Young
O músico tem investido bastante em sua própria plataforma. Recentemente, ele avisou que pretende lançar todos seus álbuns exclusivamente no NYA em 2020 — o preço para ser membro, atualmente, é de U$1,99 por mês.

Confira o comunicado de Neil sobre o Facebook na íntegra:
O Facebook está enfrentando críticas por patrocinar o baile anual da Sociedade Federalista, a poderosa organização de direita por trás da nomeação do conservador [da] Suprema Corte de Justiça Brett Kavanaugh.

Esses acontecimentos, somados às falsas informações regularmente oferecidas ao público no Facebook, com seu consentimento, fez com que reavaliássemos e mudássemos nossa política de uso.

Eu não acredito que um site social deveria estar fazendo compromissos óbvios com um lado da política ou outro. Isso aumenta a confusão dos leitores com relação à verdade em coberturas e mensagens.

NYA [Neil Young Archives], não mais interessada em laços com o Facebook, irá descontinuar o uso.

Pedimos desculpas por qualquer inconveniência que isso possa lhes causar.

Obrigado,

NY
Fonte: r7 Music