<a href=”http://www.tenhomaisdiscosqueamigos.com/2019/12/04/foster-people-pumped-kicks-aposentar/”><div class=”media_box full-dimensions660x360″>

<div class=”edges”>
<img class=”croppable” src=”https://img.r7.com/images/foster-the-people-pumped-up-kicks-04122019164807165?dimensions=660×360″ title=”Foster The People – Pumped Up Kicks” alt=”Foster The People – Pumped Up Kicks” />
<div class=”gallery_link”>
</div>

</div>
<div class=”content_image”>
<span class=”legend_box “>Foster The People – Pumped Up Kicks</span>
<span class=”credit_box “>Tenho Mais Discos Que Amigos</span>
</div>
</div>

</a> <strong>’Pumped Up Kicks’ </strong>foi um dos maiores sucessos da música alternativa nos anos 2010.

A canção aparece no disco de estreia do <strong>Foster The People, <em>Torches</em></strong><em>, </em>lançado em 2011, e com um refrão pegajoso rapidamente se tornou em um dos maiores hits do início da década em todo planeta.

Como era de se esperar, o momento é sempre o mais aguardado pelos fãs do grupo norte-americano em seus shows, mas ele pode estar próximo de não acontecer mais.

Isso porque nos últimos anos vários defensores das armas e da violência passaram a usar a canção como uma espécie de ‘hino’ a favor de tiroteios em massa, e obviamente, a banda passou a sentir que a mensagem havia se perdido.
Foster The People e ‘Pumped Up Kicks’
Quem falou a respeito do assunto foi <strong>Mark Foster</strong>, líder da banda, em um especial da <a href=”https://www.billboard.com/articles/columns/rock/8545337/mark-foster-the-people-pumped-up-kicks-retire-interview” target=”_blank”>Billboard</a> sobre o final da década.

Por lá ele falou a respeito do processo de composição e como ela se ‘entrelaçou’ com o público:
Eu não posso pedir para que outras pessoas não toquem essa música, mas o público fez dela o que ela é – e se a canção se tornou outro símbolo para algo, eu não posso controlar isso. Mas eu posso controlar o meu envolvimento com isso.

Eu escrevi essa canção em oito horas, e para mim não foi necessariamente mais especial do que qualquer outra música. O que fez dessa canção algo especial foi o público, e o fato de que as pessoas acharam que ela era especial, e que ela se conectou com as pessoas e criou uma discussão. E eu fico feliz pela discussão ter sido criada. Mas agora estou seriamente pensando em aposentar essa música para sempre.
Tiroteios e Violência (inclusive no Brasil)

A letra da canção foi escrita do ponto de vista de um adolescente com problemas de saúde mental e, segundo Mark, tinha justamente o objetivo de condenar a violência com armas.

Acontece que ela passou a ser utilizada para o objetivo contrário, e como bem disse a Vice em um editorial, tornou-se uma <a href=”https://www.vice.com/pt_br/article/8xy7dg/como-pumped-up-kicks-passou-a-ser-vista-como-uma-ode-a-atiradores” target=”_blank”>’ode a atiradores'</a>, inclusive no recente e triste episódio de Suzano, no Brasil.

Na entrevista, Mark falou sobre como os atiradores se conectaram à canção:
Tiroteios continuaram acontecendo e eu sinto que há muitas pessoas que foram tocadas, pessoalmente ou indiretamente, por um tiroteio em massa nesse país – e essa música se tornou praticamente um gatilho de algo doloroso que elas possam ter vivido. E não é para isso que eu faço música. Às vezes eu faço música para trazer consciência a certos temas, mas eu faço música para me conectar com as pessoas, e eu sinto que a consciência que essa música trouxe e a discussão que ela trouxe, tudo isso já foi feito. Ainda estamos falando sobre ela 10 anos depois. Ainda é assunto.

E eu vou te dizer, aquele jovem… qual era o nome dele, o atirador da Flórida? Nikolas Cruz. Eu li os diários dele, e ele falou com um jornalista e disse, ‘Ouça Pumped Up Kicks’. E teve um tiroteio no Brasil onde o atirador fez de ‘Pumped Up Kicks’ seu hino.
Lamentável, não é?

<em><strong>LEIA TAMBÉM: <a href=”http://www.tenhomaisdiscosqueamigos.com/2019/12/02/12-bandas-artistas-um-hit-so-2010/” target=”_blank”>12 artistas internacionais de um hit só na década de 2010</a></strong></em>
Fonte: r7 Music