Projeto ‘Moventes, dança e movimento para bebês e crianças’. Foto: Renato Mangolin

O Teatro Cacilda Becker, no Rio de Janeiro, recebe até dia 26
de janeiro o projeto “Moventes, dança e movimento para bebês e crianças”. A
programação, que cai em mês de férias escolares e de recesso em creches, é toda
voltada para a promoção das artes na primeira infância, com espetáculos,
oficinas, performances, música, dança, rodas de conversa e poesia para o
público infantil. Confira essas e outras atividades na programação completa
abaixo:

FUNDAÇÃO NACIONAL DE ARTES (FUNARTE)

Projeto ‘Moventes, dança e movimento para bebês e crianças’
Até 26/01/2020
Endereço: Teatro Cacilda Becker – Rua do Catete, 338 – Rio de Janeiro (RJ)
O Teatro Cacilda Becker, na Zona Sul do Rio, recebe o projeto “Moventes, dança e movimento para bebês e crianças”, idealizado pelo Ateliê Ecoar. Na programação, espetáculos, oficinas, performances, música, dança, rodas de conversa e poesia – tudo pensado e desenvolvido para os pequenos atuarem e entrarem em contato com as várias formas de explorar o movimento. As atividades são abertas também a artistas, educadores e cuidadores que tenham interesse em participar, refletir e vivenciar os benefícios do movimento e a expressão para o desenvolvimento e a formação do ser, desde a primeira infância. Será possível conferir a diversidade do trabalho de vários artistas, todos voltados para as Artes do Movimento na Primeira Infância.
Mais informações

Exposição ‘Muirapiranga’
Até 19/01/2020
Endereço: Funarte SP – Alameda Northmann, 1058 – São Paulo (SP)
A Funarte SP recebe a exposição Muirapiranga, da artista paranaense Elizabeth Titton. A mostra, que permanece em cartaz até 19 de janeiro de 2020, nas galerias Flávio de Carvalho e Mario Schenberg, e no Pátio do Complexo Cultural Funarte SP, apresenta ao público esculturas de grandes dimensões, em aço corten oxidado. Desde os anos 2000, o trabalho de Elizabeth Titton tem estreitado relações com a indústria, sobretudo da metalurgia. Ao mesmo tempo, a artista jamais abandonou a observação e as referências a elementos da natureza e de culturas tradicionais, como as pinturas corporais dos indígenas do Xingu. A exposição que agora chega aos espaços de artes visuais da Funarte SP harmoniza esses âmbitos, a princípio distantes ou excludentes entre si. Muirapiranga é uma árvore amazônica de madeira avermelhada, semelhante à do pau-brasil. O nome da exposição relaciona essa cor à ferrugem que a artista propositalmente fez para cobrir o metal das esculturas.
Mais informações

CASA DE RUI BARBOSA

Mostra ‘Rui Barbosa 170 anos’
Até 02/02
Endereço: Fundação Casa de Rui Barbosa – Rua São Clemente 134 – Rio de Janeiro
(RJ)
Como parte das
comemorações dos 170 anos de nascimento de Rui Barbosa (1849-2019), patrono da
Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB) e do Dia da Cultura, a mostra temporária
“Rui Barbosa 170 anos” integra os ambientes do Museu Casa de Rui Barbosa. A
mostra apresenta ao visitante objetos do acervo que não participam do circuito
museográfico tradicional e documentos arquivísticos de gênero textual e
iconográfico referentes ao jurista (e sua família) – uma seleção que registra
parte de sua atuação político-social e de sua vida privada e cultural. “Rui
Barbosa 170 anos” fica aberta para visitação até 02 de fevereiro de 2020.
Mais
informações

Mostra ‘Um Jardim de Tradições’
Mostra permanente
Endereço: Fundação Casa de Rui Barbosa – Rua São Clemente 134 – Rio de Janeiro
(RJ)
Com uma seleção de
fotos do Arquivo Casa de Rui Barbosa, combinada com imagens dos atuais pequenos
frequentadores, a exposição tem como propósito registrar o espírito lúdico e
receptivo do Jardim Histórico. A museóloga do museu-casa, Aparecida
Rangel, ressalta que o objetivo é “reafirmar o Jardim como forma de lazer e
acolhimento, desde o século XIX, tempo de seu patrono Rui Barbosa, até os dias
de hoje”. Por isso, a iniciativa é tida pelos organizadores como uma forma de
reverência ao espaço cultural. A mostra temática ocorre no quiosque do Jardim
Casa de Rui Barbosa e está aberta ao público de terça a sexta-feira, das 8h às
18h, e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 18h. A entrada é franca.
Mais
informações

BIBLIOTECA NACIONAL

Exposição “Alma do Mundo – Leonardo 500 Anos”
Até 28/02/2020
Endereço: Espaço Cultural Eliseu Visconti – Rua México s/n – Rio de Janeiro (RJ)
A exposição “A Alma do Mundo – Leonardo 500 anos” entrou em cartaz no dia 24 de outubro, com curadoria de Marco Lucchesi, presidente da Academia Brasileira de Letras, estudioso da obra do matemático, cientista, inventor, pintor, escultor e arquiteto italiano, uma das figuras mais importantes do Renascimento. Dentre as 70 obras do acervo da Biblioteca Nacional, entre gravuras, desenhos e livros, todas trazidas por D. João VI, em 1808, com a Biblioteca Real, recuperadas pelo laboratório de conservação e restauração da instituição, a peça forte é “Divina Proportione”, de Luca Pacioli, com 60 ilustrações feitas por Leonardo dos sólidos platônicos: poliedros que têm o mesmo número de faces se encontrando em cada vértice: pirâmides, cubos, octaedros, dodecaedros e icosaedros. É um livro raro e curioso, marco da geometria renascentista. Pacioli foi professor de matemática, em torno de 1496, na corte do duque de Milão, Ludovico Sforza, onde conheceu Da Vinci, pintor e engenheiro da mesma corte. A obra contém um resumo sobre as propriedades da “proporção áurea”, com base nos teoremas de Euclides – as formas são mostradas tanto em esqueleto quanto em aspecto sólido. Trata-se da obra que mais exerceu influência no mundo da arte.
Mais informações

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL (IPHAN)

Exposição ‘7 Povos: Retratos de Um Território’
Até 24/01/2020
Endereço: Memorial do Rio Grande do Sul – Rua 7 de Setembro, 1020 – Porto Alegre (RS)
Uma experiência interativa que faz o visitante viajar pela história e caminhos dos Sete Povos das Missões. Essa é a proposta da exposição “7 Povos: Retratos de Um Território”, que traz fotos, vídeos documentários, painéis, mapas interativos, documentos antigos, conteúdo de arte-educação e muito mais. São obras que despertam os sentidos e provocam uma verdadeira viagem pelo território das Missões Jesuíticas-Guarani e sua paisagem cultural, com bens culturais reconhecidos como Patrimônio Cultural Brasileiro, do Mercosul e Mundial. Porto Alegre foi a primeira cidade a receber a exposição que em 2020 irá itinerar para o Rio de Janeiro e Montevidéu, no Uruguai. O local escolhido para receber a mostra foi o Memorial do Rio Grande do Sul, reconhecido pela arquitetura imponente no centro da capital gaúcha. São Miguel das Missões (RS) também receberá a mostra ainda em 2019, com a previsão de abertura neste mês. A iniciativa brasileira idealizada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) faz parte de um projeto de cooperação internacional, em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e a Agência Brasileira de Cooperação (ABC), vinculada ao Ministério das Relações Exteriores. Com a curadoria de Cláudia Ardións e projeto expográfico de Suzane Queiroz, 7 Povos desbrava o território das Missões, sua geografia, história, vida sociopolítica e cultural. Conta a narrativa da ocupação da região, desde mapas antigos até o momento atual – como se formou e no que se tornou o território das Missões-, no Rio Grande do Sul. A exposição 7 Povos aproxima moradores e visitantes dos bens que constituem o Patrimônio Cultural missioneiro. As fotos tomam vida em realidade aumentada em tablets e celulares, em que o observador ultrapassa o plano da fotografia e é levado para a cena em movimento, com sons e texturas. O público pode transitar pelos caminhos dos 7 Povos das Missões Jesuíticas-Guarani, em mesas digitais interativas que exploram, em detalhes, a cartografia do território. A mostra conta, ainda, com um espaço educativo para crianças, com jogos e atividades formulados especialmente para o público infantil, com liga-pontos digital das línguas faladas na região das Missões, jogos da memória e quebra-cabeças sobre esta rica paisagem cultural.
Mais informações

Exposição ‘Patrimônio Imaterial Luso-Brasileiro’
Até 29/03/2020
Endereço: Paço Imperial – Praça Quinze de Novembro, 48 – Rio de Janeiro (RJ)
As cores, os ritmos e os saberes do Patrimônio Cultural do Brasil vão se unir às manifestações da cultura portuguesa na exposição Patrimônio Imaterial Brasil-Portugal: a celebração viva da cultura dos povos, no Centro Cultural Paço Imperial, no Rio de Janeiro (RJ). Com cerca de 65 bens culturais dos dois países, a exposição é realizada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), autarquia vinculada ao Ministério do Turismo, em parceria com a Direção-Geral do Patrimônio Cultural de Portugal (DGPC). A mostra, inédita, conta com o acervo de mais de 200 peças que revelam ao visitante a riqueza do Patrimônio Cultural imaterial brasileiro e português. Objetos de museus, peças produzidas por mestres e artesãos brasileiros e por comunidades portuguesas (que compõem a cadeia produtiva do Patrimônio Cultural), incluindo peças de colecionadores, fazem parte da proposta do projeto.
Mais informações

INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS (IBRAM)

2ª Maratona de Oficinas de Férias
Até 23/01
Endereço:
Rua Victor Meirelles, nº 59 CEP: 88010-440 – Florianópolis – SC
O Museu Victor
Meirelles/Ibram oferece, para crianças e adolescentes, a oportunidade de
despertar o artista interior durante o intervalo das aulas escolares. Até 23 de
janeiro, acontece a 2ª Maratona de Oficinas de Férias, com atividades gratuitas
e material incluso, mediante inscrição prévia pelo e-mail
vm.educativo@museus.gov.br. As opções são Fanzine, Desenho como Expressão,
Colagem, Stop Motion e Colagem e Fotomontagem.
Mais
informações

Exposição ‘Vilnius e eu’
Até 03/02
Endereço: Museu Lagar Segall/Ibram – Rua Berta, 111 – São Paulo (SP)
No ano em que se
comemoram os 130 anos de nascimento do pintor, escultor, gravurista e
desenhista lituano naturalizado brasileiro Lasar Segall (1889-1957), o Museu
Lasar Segall/Ibram, em São Paulo (SP), inaugura exposição que vai abordar a
relação entre o artista e sua terra natal: a cidade de Vilnius (Lituânia). A
mostra “Vilnius e eu”, que será aberta neste sábado (26), poderá
ser visitada até 03 de fevereiro de 2020. A exposição apresentará 28 obras
de Segall que retratam a cidade ou expressam memórias do artista sobre ela,
além de 21 fotografias cedidas pelo Vilna Gaon State Jewish Museum (Museu Judaico
de Vilnius), que se somam a uma seleção de fotografias e documentos
pertencentes ao acervo do próprio Museu Lasar Segall.
Mais
informações

Exposição ‘Scorzelli Megabichos’
Até 23/03/2020
Endereço:
Museu do Açude (Estrada
do Açude, 764 – Alto da Boa Vista | Rio de Janeiro – RJ)
A mostra exibe cerca
de 20 instalações inéditas, em chapas de aço, que ficarão expostas ao ar livre,
nos jardins do Museu. São girafas com 3,5m de altura, elefantes e polvos
gigantes, além de outros bichos em exibição no espaço. A mostra também tem o
objetivo de estimular o lúdico nas crianças, que poderão fazer sua própria obra
de arte, reproduzindo um megabicho em papelão. Todas as instalações e os
múltiplos das obras de arte estarão à venda. A classificação é livre e a
entrada gratuita. O museu também oferece estacionamento gratuito.
Mais
informações

Exposição ‘Contextos Afro Digitais’
Até 23/03
Endereço: Museu do Açude – Estrada do Açude, 764 – Rio de Janeiro (RJ)
A mostra exibe cerca
de 20 instalações inéditas em chapas de aço, expostas ao ar livre, nos jardins
do museu. São girafas com 3,5m de altura, elefantes e polvos gigantes, além de
outros bichos. A mostra também tem o objetivo de estimular o lúdico nas
crianças, que poderão fazer sua própria obra de arte, reproduzindo um megabicho
em papelão. Marcos Scorzelli é carioca, formado em Design pela PUC Rio e
começou a carreira inovando em projetos de arquitetura como designer de
interiores corporativo e de cenografia. Com seu pai, criou a Scorzelli
Arquitetura e Design, em 1993, e ao longo de 23 anos, recebeu vários prêmios
por projetos corporativos desenvolvidos para grandes empresas. Fotógrafo amador,
é apaixonado pelo Rio. Desenvolveu sua linguagem vivenciando a natureza e explorando
todos os cantos da capital fluminense.
Mais
informações

Exposição ‘Sergio Bernardes’
Até 12/04
Endereço: Museu Nacional de Belas Artes – Av. Rio Branco, 199 – Rio de Janeiro
(RJ)
Instalada no Museu
Nacional de Belas Artes (MNBA), a iniciativa é parte do calendário oficial do
Rio Capital Mundial da Arquitetura e um dos eventos preparatórios do 27°
Congresso Mundial de Arquitetos (UIA2020RIO), a ser realizado na cidade do Rio
de Janeiro em julho do próximo ano. A exposição é resultado de parceria entre o
MNBA, a Associação de Amigos do MNBA e o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do
Rio de Janeiro (CAU/RJ). Arquiteto, urbanista, livre-pensador e “inventor
social” como ele gostava de se apresentar, Sergio Bernardes concebia a
atividade de arquiteto em um campo ampliado “capaz de conectar o menor objeto
de design à escala planetária”. Dedicou-se, ao longo de uma trajetória de quase
70 anos de vida profissional, a estudar o Brasil e mais particularmente o Rio de
Janeiro resultando em muitas propostas arquitetônicas e urbanísticas. Apesar de
sua ampla e diversa produção, esta se mantem pouco conhecida e muitas vezes não
reconhecida, apesar de suas obras comporem a paisagem carioca.
Mais
informações

Exposição ‘Do Líquido ao Concreto’
Até 30/04/2020
Endereço: Casa do Baile – Centro de Referência de Arquitetura, Urbanismo e
Design (Av. Otacílio Negrão de Lima, 751, Pampulha | Belo Horizonte – MG)
A exposição
apresenta um diálogo entre a arte e a arquitetura e reúne peças produzidas a
partir de técnica de afresco desenvolvida pelo arquiteto Carlos Borsa. A
técnica é inspirada no afresco tradicional e seu desenvolvimento no ambiente
acadêmico propiciou novas alternativas de processos e soluções. As imagens
transferidas para as peças possuem pinceladas abstratas de cor azul, que são
formas inspiradas na arte asiática da porcelana e da pintura sumi-ê, mais
precisamente, as artes chinesa e japonesa. Em todas as peças existem as mesmas
medidas de altura e comprimento, com isso a face de cada peça possui a
configuração regular do quadrado. Toda a geometria da exposição está ligada a
um processo peculiar, onde o conteúdo visual de cada módulo tem uma autonomia
estética, arraigado a uma metodologia sobre conceitos de experimentação, caos,
seguida da instauração de uma ordem e percepção do acaso. Assim, a pintura é executada,
gerando uma variedade de possibilidades composicionais, permitindo sua
aplicação no design, arquitetura e nas artes visuais.
Mais
informações

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura


Fonte: Cultura