KARD se apresentou pela quarta vez em São Paulo na noite desta sexta-feira (11)

KARD se apresentou pela quarta vez em São Paulo na noite desta sexta-feira (11)
Giovanna Orlando/ R7

Já praticamente de casa, o grupo de K.A.R.D voltou com a terceira turnê no Brasil e o quarto show em São Paulo na noite desta sexta-feira (11), no Tom Brasil. Em duas horas, o grupo mostrou que está mais brasileiro e latino do que nunca, deixou os fãs eletrizados com um show divertido e não escondiam a emoção em estar de volta.

Começando com o single Bomb Bomb, eles já mostraram qual seria o ritmo do show: frenético. Em uma setlist diversificada e divertida, eles voltaram ao passado com Don’t Recall em seguida.

Na primeira interação com o público, o líder BM mostrou estar muito à vontade com os Hidden Kard, nome dado aos fãs, e relembrou que o pai morou na cidade por um tempo. J.Seph destacou que a capital paulista é, talvez, a cidade que eles mais se apresentaram.

“Isso quer dizer que nós combinamos muito”, completou a vocalista Jiwoo, para a alegria dos fãs, que concordaram.

Com um telão colorido acompanhando todas as músicas, eles apresentaram Oh Na Na e RUMOR, do começo da carreira. Depois, o palco ficou sob comando das meninas Jiwoo e Somin. O KARD é um dos únicos grupos no k-pop que é misto.

As meninas conversaram com os fãs e perguntaram se eles estavam bem e se haviam comido antes. Somin contou que sempre que o grupo vem para o Brasil, eles comem pão de queijo, açaí, balas e salgadinhos. Depois da rápida conversa, os rappers voltaram ao palco.

Cantando duas músicas produzidas pelo líder, BM e J.Seph incendiaram o palco antes de as meninas voltarem para um cover de If I Can’t Have You, de Shawn Mendes. Logo em seguida, eles partiram para a terceira troca de roupa da noite e deixaram os fãs assistindo a um vídeo.

No VCR, cada um dos quatro membros leu uma carta para os fãs. Agradecendo muito e dizendo que eles são o motivo pelo qual o KARD existe, eles comoveram alguns jovens e os pais presentes na plateia.

A parte mais esperada da noite era, sem dúvidas, o cover de Pesadão, da Iza. Há um mês, eles haviam postado nas redes sociais a letra da música, deixando os fãs surpresos para ver o resultado. E eles não decepcionaram nem um pouco.

Com um português claro, eles cantaram e mostraram uma coreografia nova para a música. Cantando até mesmo a parte do rap de Falcão, os quatro conseguiram animar ainda mais os fãs.

A própria cantora se impressionou e repostou um vídeo da apresentação da música na quinta-feira (10), no Rio de Janeiro. 

“Gente! Estou sem acreditar que eles cantaram em português!”, disse pelo Twitter.

Antes, eles haviam feito um cover de Thank You, Next, de Ariana Grande, com direito a BM cantando uma adaptação em inglês, e seguiram o ritmo latino com Taki Taki, de DJ Snake, Cardi B e Selena Gomez.

Em uma das interações, J.Seph disse que os fãs são “a força motriz” do grupo, e isso ficava claro durante a apresentação. A cada pausa para conversar rapidamente com o público, com a ajuda de uma tradutora, eles se mostravam felizes e surpresos com o calor e animação dos fãs.

Não foram poucas as vezes que os fãs gritavam efusivamente o nome de algum dos membros, que também gritaram juras de amor ao público. Ao fim de cada música, os gritos de 3 mil pessoas no Tom Brasil davam impressão de um público ainda maior.

O final do show foi marcado pela música de debut, Hola Hola, e a aguardada Dumb Litty, produção de BM. Mesmo depois de um show longo e animado, o grupo e os fãs mostraram a mesma animação do começo do show para o encerramento.

Sem playback e só o uso de uma base por baixo, o quarteto não decepcionou com os vocais e nem com as coreografias, hipnotizantes e sincronizadas. Com um show mais autoral que antes e com menos pausas para interação, eles conseguiram segurar os fãs pelas duas e mostraram que estão mais brasileiros que nunca, além de cada vez mais preparados para grandes shows.

Grupo recebeu alguns veículos de imprensa antes do show

Grupo recebeu alguns veículos de imprensa antes do show

Giovanna Orlando/ R7

Coletiva de imprensa

Antes do show, o KARD respondeu às perguntas de veículos de imprensa selecionados.

Perguntados sobre a escolha de Pesadão como cover do ano (em 2017 eles cantaram Sim ou Não de Anitta), eles disseram que procuraram uma música que fosse muito popular no Brasil e confessaram que a maior preocupação na hora dos ensaios era com a pronúncia.

Ao R7, Jiwoo disse como era ser um dos únicos grupos de k-pop misto, já que o gênero é conhecido pelos grandes grupos femininos e masculinos. A vocalista disse que eles nunca receberam críticas, mas que no começo da carreira as pessoas ficavam muito curiosas para entender a dinâmica do grupo e questionavam se eles namoravam entre si, algo que os deixava desconfortáveis. “Agora as pessoas já se acostumaram e não nos perguntam mais”, concluiu a vocalista.

Se aventurando como produtor do último single, Dumb Litty, o líder BM disse que tem escrito várias músicas nos dois anos de existência do KARD, e que seu objetivo sempre foi lançar músicas pelo grupo. “Foi uma experiência muito boa. Foi divertido poder criar uma música e isso me motivou a escrever mais”, disse.


Fonte: r7 Music