Foto: Divulgação

Os Museus Castro Maya são paradas obrigatórias para os apaixonados por arte, história, arquitetura e natureza no Rio de Janeiro. Além de abrigarem o mais importante acervo público de arte oriental no País e a maior coleção brasileira de obras do pintor francês Jean-Baptiste Debret, os dois prédios históricos ainda dialogam com a recente produção cultural, oferecendo exposições temporárias de arte contemporânea. Juntos, o museu do Açude e o da Chácara do Céu, administrados pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), vinculado ao Ministério da Cidadania, recebem mais de três mil visitantes por mês.

Um dos destaques dos Museus Castro Maya é a coleção com 1.500 obras de viajantes do século XIX. “Abrigamos o maior acervo de Debret que existe no Brasil. A Brasiliana é a coleção de obras e de estudos, realizados por estrangeiros, sobre o Brasil e reúne desde cartas geográficas e pinturas a óleo, até uma grande série com aquarelas, desenhos, guaches e gravuras”, destaca a diretora dos museus, Vera Alencar.

Já no museu do Açude fica o acervo de arte oriental, considerado por especialistas o maior e mais importante em coleções públicas no Brasil. Somada às relevantes obras de arte, a exuberância da natureza encontrada no espaço, localizado dentro da floresta da Tijuca, também atrai visitantes. “Trabalhamos com o conceito de patrimônio integral, que quer dizer que a floresta, os jardins, também são considerados acervos”, explica Vera.

A maioria dos visitantes são turistas brasileiros e estrangeiros. Mas quem mora na cidade não deixa de aproveitar os espaços. Aposentada e moradora do Rio de Janeiro, Maria Eduarda Neves costuma frequentar as atividades temporárias do museu e sempre recomenda a visita para quem vem de fora da cidade. “É um programa muito bom porque tem arte, boas programações e tudo é muito bem cuidado”, afirma.

Três obras imperdíveis:

História

Os museus estão localizados nas antigas residências do industrial e apaixonado pelas artes e pelo Rio de Janeiro, Raimundo Antonio de Castro Maya. O primeiro, o do Açude, fica no Alto da Boa Vista. O segundo, o da Chácara do Céu, fica em Santa Teresa.

Em 1963, antes da morte do proprietário, os espaços passaram a ser administrados pela Fundação Raymundo Ottoni de Castro Maya para preservar a coleção e promover atividades culturais nos espaços. Em 74 os prédios, acervos e parques dos Museus Castro Maya foram tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), também vinculado ao Ministério da Cidadania, e depois foram incorporados pela União.

Desde então, alguns cômodos permanecem mobiliados e ambientados para preservar as características dos espaços.

Serviço:

Museus Castro Maya – Chácara do Céu
Rua Murtinho Nobre, 93, Santa Teresa – Rio de Janeiro
Diariamente, exceto às terças-feiras, das 12h às 17h
Entrada franca às quartas. Fecha nos dias 1º Jan, Carnaval, 25 Dez e 31 Dez.
Telefone: (21) 3970-1297 – 21 3970-1641

Museus Castro Maya – Museu do Açude
Estrada do Açude, 764, Alto da Boa Vista – Rio de Janeiro
Diariamente, exceto às terças-feiras, das 11h às 17h
Entrada franca às quintas.

Para saber mais sobre os Museus Castro Maya e outros administrados pelo Ministério da Cidadania, acesse: museus.gov.br.

Confira outras matérias da série Museus da Cidadania:

Por Diego Queijo

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cidadania

Informações para a imprensa:
(61) 2024-2266 / 2412


Fonte: Cultura